Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

"What the duck!"

Olá, eu sou o Donald e hoje estou aqui para vos aconselhar acerca do que quer que seja. Para quem não se lembra... Pára! Para quem não se lembra? Mas achas que eu sou o quê? A Simara que apareceu gorducha e depois foi desaparecendo ao mesmo ritmo que as coxas de frango? Ok. Aqui está o pato...

Mas que brincadeira é esta! Pato? Mas eu sou algum "tono" que aí anda ou quê! Boasnoites,hojetemosaquioDonald,umafiguradabandadesenhadaconhecidaporcuspirtudoporondepassa... Toma! Obrigado por não me interromperes. Só não te interrompi porque me engasguei com a saliva que tinha aqui no bico.

Escreve. Fiquei fascinado com a ideia de dizer algo para um público sedento de ideias parvas. Parvas? Cala-te. Estou aqui a escrever para... Escrever? A sério? Com essas patas que só servem para fazer rolo de carne ou panar coxas de frango? estás, no máximo, a ditar coisas. Foda-se, estás calado ou vou ter de tapar a boca também? Tecla e fecha o bico! Essa foi boa Donald!

Foi a primeira vez que entendi o que disseste. Já agora, podes limpar a tua saliva da minha cara? Com as mãos atadas não consigo...

Voltando ao assunto, eu tive de fugir do KFC. Antes disso já tinha fugido do meu tio patinhas. Queria procurar dentro de mim uma mordaça que tinha comprado em 27ª mão para o Pluto. De qualquer forma sou um azarado. Até ao preciso momento em que este salvador super-audaz e inteligente p'ra caraças me raptou! Espera aí, eu não estou a dizer nada disso...

Deslocaste-me o pescoço quando fugiste comigo, como é que és um gajo super-audaz. Tens razão sou só audaz... Partir-te o pescoço não foi suficiente para te calar. A minha função acabava por ser essencial, eu recolhia gorjetas dos clientes. E quem é o gajo que aceita esburacar o seu escultural corpo só para que a clientela pudesse dar uma gratificação ao empregado pouco amável? E o pior era quando chegava a hora de as distribuir por todos...

Agora, o meu trabalho já nem valia a pena. Acho que vocês vão ter de pagar impostos. Antigamente, os proprietários cobravam a gorjeta juntamente com o valor do produto (por isso é que nunca tivemos grande hábito de retribuir um serviço que nos foi prestado). Estás-me a sujar a cadeira toda com estrume, que cheiro!

Eles obrigavam-me a usar estrume para parecer mais realista, assim parecia que tinha vindo da capoeira de manhã. Mas o cheiro não afasta as pessoas? Só as mulheres que tinham bigode e os homens com cabelo. Os carecas adoravam! Muitas vezes pediam para eu lhes esfregar a pata na cabeça. Diziam que fazia crescer o cabelo.

O meu tio bem me dizia isso, mas eu pensava que era mentira... Por acaso estás a dizer que o meu estrume não era de boa qualidade? P'ra te calar até te digo que passado duas ou três semanas a maior parte deles aparecia lá com um cabelo igualzinho ao do Tony Carreira! Mas afinal que raio de conselhos é que deste aos nossos leitores? Está calado que poucos sabiam que o estrume faz crescer pêlos... Eu próprio já tenho mais pêlo nos pés do que o Tony Ramos! E foi o convidado possível desta semana...

Paulo Jorge Rocha

Publicado por Universo de Paralelos às 16:20
Link do post | COMENTAR | Favorito
1 comentário:
De jabeiteslp a 21 de Novembro de 2012 às 07:26
bom monólogo...

um bom dia


Comentar post

!>Pesquisar neste blog

 

!>Junho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


!>Arquivos

!>Visitas